NOTÍCIAS & ARTIGOS

JUSTIÇA E MJ QUESTIONAM OFERTA DE CONTEÚDO DA TV ABERTA

12-Jul-2017

Modelo da joint venture Simba – da Rede TV!, SBT e Record – gera processos contra NET e Claro.

 

A cobrança por conteúdo da TV aberta vem gerando questionamentos administrativos e judiciais a operadoras de canais por assinatura na ponta mais visível dos impactos causados por novas regras.

 

Ações na Justiça e um processo no Ministério da Justiça avaliam se NET e Claro violaram o Código de Defesa do Consumidor ao retirar o conteúdo fornecido pela Simba Content – joint venture formada por Rede TV!, SBT e Band – depois que ela passou a cobrar pelos programas.

 

Criada para comercializar o conteúdo que produzem para a TV aberta, a Simba teve seu funcionamento autorizado pelo Cade, autoridade da concorrência, em maio do ano passado. O conselho é uma autarquia ligada ao Ministério da Justiça.

 

A briga entre as operadoras de TV por assinatura e a joint venture começou a gerar consequências para as prestadoras de serviço televisivo pouco mais de um ano depois do trâmite controverso na autarquia antitruste.

 

A suspeita é de violação ao Código de Defesa do Consumidor ao interromper a veiculação do conteúdo – antes oferecido gratuitamente aos assinantes da NET e Claro – sem aviso prévio ou redução no preço dos pacotes cobrado dos clientes.

 

O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, abriu um processo administrativo para apurar eventual violação das regras contratuais entre as TVs por assinatura e os consumidores pela Simba.

 

Os questionamentos se voltam a NET e Claro porque são as pontas visíveis da relação com o consumidor. As emissoras SBT, Record e Rede TV! fornecem gratuitamente o conteúdo via antena digital para todos os consumidores, mas exige pagamento das operadoras de TV por assinatura pelos mesmos programas.

 

A joint venture recebeu aval da Superintendência-Geral do Cade, sem imposição de restrições. A área técnica entendeu que a Simba não teria poder de mercado suficiente para prejudicar os consumidores. Já a conselheira Cristiane Alkmin, que relatou o processo, votou pela reprovação ao negócio, mas foi vencida pela maioria em voto-vista de Alexandre Cordeiro após um acordo “preservar interesse público e de consumidores”, em sua avaliação. A Associação Brasileira de TVs por Assinatura (ABTA) posicionou-se contra a operação.

 

Processo no MJ

 

O processo aguarda julgamento na Secretaria Nacional do Consumidor – Senacon, e caso seja confirmado descumprimento em relação aos direitos do consumidor a empresa poderá sofrer sanções administrativas como aplicação de multa. (Processo 08012.001354/2017-09).

 

A quebra de contrato seria quanto à paralisação da transmissão dos três canais, além da oferta e da publicidade dos pacotes de canais para os consumidores. De acordo com o DPDC a empresa alterou a opção dos pacotes de programação ao deixar de transmitir canais que constavam de sua oferta inicial.

 

As mudanças no mercado de veiculação de conteúdo de TV aberta começaram com a edição da Lei de Comunicação Visual de Acesso Condicionado (12.485/2011), que autorizou as emissoras a cobrarem de operadoras de TV a cabo, como a Claro e a NET, o licenciamento para distribuição do conteúdo televisivo.

 

A Globo decidiu manter parceria que já tinha com operadoras de TV por assinatura e autorizou a transmissão gratuita pelas prestadoras de serviço. Por sua vez, a Simba Content decidiu cobrar pelo conteúdo, o que fez com que operadoras retirassem os canais da joint venture de suas grades.

 

O apresentador Sílvio Santos, dono do SBT, chegou a gravar um vídeo para ensinar os telespectadores a comprar e instalar a antena digital para sintonizar o canal. No vídeo, postado no perfil da sua filha, Patrícia Abravanel, o apresentador dá dicas de como “se livrar do cabo” e nunca mais pagar pela assinatura.

 

Na Justiça

 

De acordo com a assessoria da ABTA, as operadoras prestaram esclarecimentos aos assinantes diversas vezes, inclusive antes do dia em que os canais da Simba foram retirados dos pacotes oferecidos em São Paulo.

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) segue sem entendimento pacificado sobre o tema. Existem uma sentença que condena a NET a abater R$ 2,50 reais no preço pago pelo consumidor para cada canal que deixou de ser transmitido (Processo 0006921-61.2017.8.26.0007), e quatro favoráveis às empresas (Processo nº 0004321-76.2017.8.26.000– Processo 1007460-85.2017.8.26.0564 – Processo 1008870-81.2017.8.26.0564 – Processo 1008795-42.2017.8.26.0564).

 

A Claro e a NET são parte do mesmo grupo econômico e, embora a decisão do TJ-SP seja de interesse do DPDC não há vinculação entre a decisão judicial de São Paulo e a que o Departamento tomará ao final do processo administrativo da Claro.

 

A advogada Fabíola Meira, doutora em Direitos Difusos e Coletivos e coordenadora do Departamento Relações de Consumo do Braga Nascimento e Zilio Advogados, afirma que a decisão do magistrado é uma “inversão no entendimento”, uma vez que só se configuraria ilicitude, pelo Direito do Consumidor, caso não houvesse comunicação da empresa sobre a retirada dos canais.

 

“O consumidor foi informado previamente que aquilo foi uma cortesia. Ele não pagava individualmente por cada canal”, afirmou.

 

De acordo com o juiz que analisou o caso no primeiro grau, Eduardo Francisco Marcondes, retirar o serviço é uma afronta ao princípio da proteção da confiança do consumidor.

 

“Ora, há desequilíbrio na relação contratual quando uma das partes reduz o escopo do serviço, mas mantem o mesmo preço”, diz o magistrado, na decisão.

 

Direito do consumidor

 

Advogados ouvidos pelo JOTA discordam quando perguntados se o corte dos canais violaria os direitos do consumidor.

 

“Não é descumprimento de oferta”, defende Meira. De acordo com a advogada, a retirada não seria uma afronta ao direito do consumidor. A disponibilidade dos canais pelas empresas era apenas para uma maior comodidade do cliente, pois ainda podem ser visualizados na TV aberta, desde que exista a antena digital.

 

Os que consideram a suspensão dos canais ilegítima entendem que quando o consumidor contrata o serviço, que inclui os três canais (SBT, Record e Rede TV!), é gerada uma expectativa quanto à disponibilidade destes. O corte, dessa forma, causaria prejuízo ao consumidor desavisado.

 

Para o advogado Marco Philippo Moreira Pachêco, do escritório Peixoto & Cavalcanti, os artigos 14 e 20 do CDC possibilitam o entendimento de que a supressão dos canais resulta em vício de serviço. Nesse caso ocorre uma falha na prestação de serviços, que permite indenização por perdas e danos ou diminuição do valor do serviço prestado.

 

“Há clara violação aos direitos do consumidor”, avaliou. “A posição adotada pelo DPDC demonstra a grande preocupação com os direitos dos consumidores em relação às práticas arbitrárias, unilaterais e consequentemente abusivas das empresas prestadoras de serviço de acesso condicionado (TV por assinatura).”

 

O titular da promotoria do Consumidor e Procurador-Geral da Justiça do Distrito Federal, Leonardo Roscoe Bessa, concorda com a decisão do Departamento do Ministério da Justiça.

 

De acordo com o artigo 30 do CDC, a oferta – que pode ser feita através de publicidade ou sob qualquer forma de comunicação com o consumidor -, vincula o vendedor.

 

Essa vinculação obriga o prestador de serviços a cumprir com o ofertado, caso contrário o consumidor pode pedir para rescindir o contrato com a devolução do preço sem multa, o abatimento proporcional do preço ou o cumprimento forçado do contrato.

 

“Em certos casos, não há como cumprir o contrato. Um exemplo é ofertar um remédio milagroso para emagrecer 5 kg por semana. Se ele não funciona não tem como o consumidor pedir o cumprimento forçado”, explica o procurador.

 

No caso da NET, há a impossibilidade de realizar o ofertado por causa da cobrança da Simba Content, portanto o abatimento do preço seria a solução mais viável ao consumidor.

 

A Claro e a Net foram procuradas pelo JOTA, mas não se manifestaram até o momento de publicação deste texto, que será atualizado caso as operadoras decidam se pronunciar sobre o tema.

 

O futuro da TV no Brasil

 

A discussão chegou nos tribunais superiores, o que indica a possibilidade de mudanças significativas sobre a regulamentação da televisão no país.

 

Existem quatro Ações Diretas de Inconstitucionalidade à espera de julgamento no Supremo Tribunal Federal (ADIs 4.679, 4.747, 4.756 e 4.923). Todas debatem a Lei de Comunicação Visual de Acesso Condicionado (12.485/2011).

 

As ações visam discutir desde a extensão de poderes fiscalizatórios atribuídos à Agência Nacional do Cinema (Ancine) até regras de transição referentes às prestadoras de TV a Cabo.

 

Por Giovanna Ghersel

 

Fonte: Jota

 

MAIS NOTÍCIAS

MAIS ARTIGOS

contato@cesarperes.com.br  | 51-3232-5544 | Rua D. Pedro II, 568, Porto Alegre  RS

Membro da:

Logo TMA Brasil.org

contato@cesarperes.com.br  | 51-3232-5544 | Rua D. Pedro II, 568, Porto Alegre  RS

Membro da:

Logo TMA Brasil.org

Membro da:

contato@cesarperes.com.br

51-3232-5544

Rua D. Pedro II, 568, Porto Alegre  RS

Logo TMA Brasil.org

contato@cesarperes.com.br

51-3232-5544

Rua D. Pedro II, 568, Porto Alegre  RS

Membro da:

Logo TMA Brasil.org
Logo Cesar Peres Advocacia Empresarial